DTM em crianças e adolescentes

Criança também pode ter DTM?

Sim. Crianças e adolescentes também podem apresentar sinais e sintomas de DTM/DOF, apesar de ser uma condição mais rara nessa faixa etária. No entanto, uma pesquisa epidemiológica recente sugere que uma porcentagem significativa de crianças (cerca de 35%) possui pelo menos um sinal de DTM/DOF. Os sinais e sintomas de DTM principalmente em pacientes na fase de crescimento e desenvolvimento são transitórios (vem e voltam), flutuantes (tem fase que piora e fase que melhora) e auto limitantes (podem desaparecer sem que haja tratamento), mas mesmo assim podem apresentar efeitos negativos sobre a qualidade de vida.

Um outro aspecto importante a ser considerado é a presença de outras doenças ao mesmo tempo (comorbidades) que podem confundir e dificultar um diagnóstico definitivo. É necessário ressaltar que algumas outras doenças podem se apresentar com quadros clínicos parecidos com as DTM (Quadro 1). Consequentemente, o primeiro passo no tratamento efetivo da DTM é um diagnóstico preciso.

 

Quadro 1 – Doenças que podem confundir o diagnóstico da DTM/DOF

Neuralgias
Dores de origem dental
Sinusites
Dor de ouvido
Tumores
Doenças vasculares
Dores no pescoço
Síndrome de Eagle

Comissão Leigos SBDOF.012

 

O que causa DTM/DOF em crianças e adolescentes?

A causa ainda é um aspecto bastante discutido, mas hoje em dia é aceito que várias condições estejam presentes para que a criança desenvolva DTM/DOF, o que é chamada de “etiologia multifatorial”.

Fatores psicológicos e mesmo sociais desempenham um papel importante neste contexto. Os movimentos da mandíbula que não tem função de sobrevivência para o indivíduo são chamados de “parafunção”, e são muito comuns em crianças. São consideradas parafunções: o bruxismo (ranger e /ou apertar dos dentes), roer as unhas, morder objetos, chupar dedo e chupeta, mascar chiclete, etc. Estas atitudes podem ser consideradas fatores contribuintes para a manifestação das DTM/DOF.

O trauma mecânico na região orofacial, tão comum nesta faixa etária, decorrente de quedas e batidas em brincadeiras ou na prática de esportes, também éconsiderado um fator que pode causar DTM. Ele pode trazer consequências para o desenvolvimento desta região e, portanto, deve ser adequadamente avaliado e tratado.

 

Comissão Leigos SBDOF.013

 

Dentes fora de posição (dentes “tortos”) podem causar DTM? É preciso por aparelho ortodôntico ou ortopédico para evitar ou tratar DTM?

Não. Apesar deste conceito ter sido ensinado a muitos dentistas e até hoje muitos deles ainda pensarem assim, dentes fora de posição não provocam quadros de DTM/DOF. Isso foi concluído depois que pesquisas mais organizadas e rígidas foram desenvolvidas e percebeu-se que o tipo de oclusão (“mordida”) não influenciava no aparecimento da DTM/DOF.

Um estudo com acompanhamento dos mesmos sujeitos durante vinte anos concluiu que o tratamento ortodôntico não é causa nem consequência de DTM/DOF. Sendo assim, aparelhos ortodônticos e/ou ortopédicos não são indicados para o tratamento de DTM/DOF e nem para sua prevenção.

Comissão Leigos SBDOF.014

 

Como a mãe pode perceber que seu filho está com DTM/DOF?

Na maioria das vezes é percebido primeiro pela criança que relata para a mãe. Os sinais mais comuns da DTM/DOF são: estalos nas ATM durante o movimento da mandíbula, dificuldades de abrir ou de fechar a boca, dor de cabeça, dor nas bochechas, na região da orelha e cansaço durante a mastigação. A dificuldade da criança para falar sobre a localização exata e sobre como é o tipo de dor (pulsátil, queimação, aperto) na face e na cabeça aumenta a importância da avaliação clínica por parte do profissional especialista em DTM/DOF.

 

Como saber se a dor de cabeça da criança é DTM?

O cuidador não saberá diferenciar de outras dores de cabeça. O primeiro passo para o sucesso no tratamento da DTM/DOF é um preciso diagnóstico, e para isto a criança deve ser examinada por profissional capacitado, com formação na área de DTM/DOF. Além disso, a criança pode ter mais de um tipo de dor de cabeça ao mesmo tempo.

Comissão Leigos SBDOF.015

O meu filho range dentes quando dorme. O que é isso?

Isso é chamado de bruxismo. O bruxismo é um distúrbio do movimento caracterizada pelo ranger e/ou o apertar dos dentes, que pode ocorrer quando a criança está acordada ou durante o sono. O barulho que a criança faz quando range os dentes durante o sono é típico e é pelo relato dele que os profissionais sabem que a criança tem bruxismo. Normalmente é relatado pelos pais ou pessoas que dormem na mesma casa ou quarto que a criança. Entretanto, é importante dizer que nem todos os episódios de bruxismo do sono são acompanhados de sons.

Crianças com obstrução de vias aéreas superiores tendem a ter mais bruxismo, bem como crianças com síndrome da apnéia e hipoapnéia do sono (SAHOS). O estresse também aparece associado, assim como existem indícios de sua transmissibilidade genética. Mas não podemos afirmar com segurança que a criança tem bruxismo por ser nervosa ou ansiosa, mesmo porque um estudo recente mostra o estresse mais associado com o apertar dos dentes quando o indivíduo está acordado do que com o ranger durante o sono.

O bruxismo é altamente prevalente e representa um problema de saúde pública de relevância epidemiológica. Os dentistas são responsáveis pela prevenção das suas possíveis consequências negativas para a saúde oral de seus pacientes, principalmente na população pediátrica.

 

Quem tem bruxismo tem DTM/DOF? Bruxismo e DTM/DOF são a mesma coisa?

Não. Bruxismo e DTM não são a mesma coisa. Apesar de muita gente fazer essa confusão, são coisas bem diferentes. Uma coisa é o movimento da mandíbula e outra coisa é DTM, que é o nome dado à uma condição clínica (doença).

O bruxismo muitas vezes é visto como um importante fator iniciante e predisponente nos casos de DTM/DOF, embora não se possa afirmar com certeza que isso acontece. Nem toda criança que tem bruxismo apresenta DTM/DOF e nem toda criança com DTM/DOF tem bruxismo associado.

 

O que fazer com a criança que apresenta bruxismo?

O cuidador deve procurar um profissional capacitado em Odontopediatria ou em DTM/DOF para que sejam investigados os possíveis fatores associados e também para que seja colocado um aparelho que evite o desgaste dos dentes. No entanto, essa indicação nem sempre é feita para todas as idades. O aparelho para proteger os dentes do desgaste tem indicação limitada em crianças muito pequenas, que apresentem apenas os dentes de leite na boca. Nem todas as crianças precisam usar o aparelho e isso é decidido pelo profissional capacitado.

Comissão Leigos SBDOF.016

Meu filho tem DTM/DOF. Qual o melhor tratamento para ele?

O tratamento das DTM/DOF pode ser dividido em modalidades reversíveis e irreversíveis. As reversíveis não modificam permanentemente nenhuma estrutura do indivíduo e assim que o tratamento é concluído a pessoa volta à sua situação anterior. Nos procedimentos irreversíveis, os pacientes são submetidos a tratamentos que modificam permanentemente estruturas.

As diretrizes atuais indicam os procedimentos conservadores e reversíveis para o tratamento das DTM/DOF. Pela falta de evidências sobre sua eficiência, os procedimentos irreversíveis, devem ser evitados. Para crianças e adolescentes que apresentem sinais e sintomas de DTM as terapias reversíveis devem ser sempre a primeira opção de tratamento a ser considerada.

 

Se você suspeita que é portador de DTM ou outra condição de Dor Orofacial, procure um Cirurgião Dentista especialista em DTM e Dor Orofacial, que é a especialidade odontológica que cuida destas e de outras dores da face.

Para encontrar um especialista perto de você, busque o indicador profissional da Sociedade Brasileira de DTM Dor Orofacial: www.sbdof.com

 

Referências

  • Leeuw R.Orofacial pain: guidelines for assessment, diagnosis, and management. 4th ed.  Chicago: Quintessence; 2008
  • Greene CS, Klasser GD, Epstein JB. Revision of the American Association of Dental Research’s Science Information Statement about Temporomandibular Disorders. J Can Dent Assoc 2010;76:a115.
  • American Academy of Pediatric Dentistry.  Guideline on Acquired Temporomandibular Disorders in Infants, Children, and Adolescents. Reference manual 32 ( 6 ) 2010.
  • Vierola A, Suominen AL, Ikavalko T, et al. Clinical signs of temporomandibular disorders and various pain conditions among children 6 to 8 years of age: the PANIC study. J Orofac Pain. 2012;26(1):17-25.
  • Suvinen TI, Reade PC, Kemppainen P, Kononen M, Dworkin SF. Eur J Pain 2005;9(6):613-33.
  • Nowak AJ, Warren JJ. Infant oral health and oral habits. Pediatr Clin North Am 2000;47 (5): 1043-66.
  • Sari S, Sonmez H. Investigation of the relationship between oral parafunctions and temporomandibular joint dysfunction in Turkish children with mixed and permanent dentition. J Oral Rehabil 2002; 29 (1):108-12.
  • Türp JC, Schindler H. The dental occlusion as a suspected cause for TMDs: epidemiological and etiological considerations. J Oral Rehabil. 2012;39(7):502-12
  • Macfarlane TV et al. Twenty-year cohort study of health gain from orthodontic treatment: temporomandibular disorders. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 2009 Jun;135(6):692.
  • Egermark I, Magnusson T, Carlsson GE. A 20-year follow-up of signs and symptoms of temporomandibular disorders and malocclusions in subjects with and without orthodontic treatment in childhood. Angle Orthod. 2003;73(2):109-15.
  • Bonjardim LJ, Gavião MB, Pereira LJ, Castelo PM, Paula. Anxiety and depression in adolescents  and  their relationship with signs and symptoms of temporomandibular dysfunction. Int J Prosthodont 2005;18 (4):151-6.
  • Okeson JP. The classification of orofacial pains. Oral MaxillofacSurg Clin N Am. 2008;20:133–144.
  • Manfredini D, Fabbri A, Peretta R, Guarda-Nardini L, Lobbezoo F. Influence of psychological symptoms on home-recorded sleep-time masticatory muscle activity in healthy subjects. J Oral Rehabil. 2011;38(12):902-11.
  • Agargun MY, Cilli AS, Sener S, Bilici M, Ozer OA, Selvi Y et al. The prevalence of parasomnias in preadolescent school-aged children: a Turkish sample. Sleep  2004;27: 701-5.

 

Os textos desta seção foram preparados pela Comitê de Informação a Leigos da SBDOF.

Coordenadora: Adriana Lira Ortega

Membros:

Carmen Hoyuela

João Paulo Tanganelli

Liete Figueiredo Zwir

Paula Machado

Paulo de Tarso Almeida Carvalho

Sérgio Guimarães

Ilustrações: André Porporatti

Anúncios